×

FISIOTERAPIA NO VAGINISMO – ESTUDO DE CASO

Edição:

FISIOTERAPIA NO VAGINISMO – ESTUDO DE CASO

RESUMO

Contexto: O vaginismo é uma desordem sexual caracterizada por espasmos involuntários recorrentes ou persistentes da musculatura vaginal e interferem negativamente sobre a relação sexual da mulher. Objetivo: verificar os efeitos do tratamento fisioterapêutico sobre o vaginismo. Métodos: estudo de caso de uma paciente de 45 anos sem parceiro fixo, submetida à 10 sessões de 50 minutos de fisioterapia pélvica com TENS, calor superficial, massagem perineal, desativação de pontos-gatilhos e terapia vibração. A função sexual foi avaliada antes e depois pelo FSFI e a função do assoalho pélvico por protocolo funcional específico. Resultados: todos os parâmetros funcionais do assoalho pélvico apresentaram melhora significativa após o tratamento, mas não houve melhora na função sexual a não ser no domínio Orgasmo. Domínios desejo e excitação apresentaram tendência à piora. Conclusão: o protocolo proposto melhorou a função do assoalho pélvico da paciente, mas não a função sexual. A troca de parceiros durante o andamento do tratamento pode indiciar que o parceiro apresenta um impacto importante sobre a função sexual da mulher com vaginismo, e o fato deve ser considerado em futuros estudos com esta população.

 

Palavras-chave: Vaginismo. Assoalho Pélvico. Disfunção Sexual, Fisiológica. Fisioterapia

 

ABSTRACT

Background: Vaginismus is a sexual disorder characterized by recurrent or persistent involuntary spasms of the vaginal muscles and negatively interferes with a woman’s sexual intercourse. Aim: to verify the effects of physical therapy on vaginismus Methods: Case report of a 45-year-old female patient with no fixed partner undergoing 10 sessions of 50 minutes of pelvic physiotherapy with TENS, superficial heat, perineal massage, trigger point deactivation and vibration therapy. Sexual function was assessed before and after by FSFI and pelvic floor function by specific functional protocol. Results: all functional parameters of the pelvic floor showed significant improvement after treatment, but there was no improvement in sexual function, except in the orgasm domain. Desire and excitement domains tended to worsen. Conclusion: the proposed protocol improved the function of the patient’s pelvic floor, but not the sexual function. The exchange of partners during the course of treatment may indicate that the partner has a significant impact on the sexual function of the woman with vaginismus, and this fact should be considered in future studies with this population.

 

Key words: Vaginismus. Pelvic Floor. Sexual Dysfunction, Physiological. Physiotherapy

 

Sobre o Autor:

Edilete Schafascheck1, Anna Paula Lenzi Roedel2, Erica Feio Carneiro Nunes3, Gustavo Fernando Sutter Latorre4

1. Fisioterapeuta, pós-graduanda em Fisioterapia Pélvica pela Faculdade Inspirar. Florianópolis, SC, Brasil.
2 Fisioterapeuta, pós-graduanda em Fisioterapia Pélvica pela Faculdade Inspirar. Florianópolis, SC, Brasil.
3. Doutora em Ciências da Reabilitação. Professora da Universidade do Estado do Pará. Belém, Pará, Brasil.
4. Fisioterapeuta pélvico, Mestre em Fisioterapia. Portal Perineo.net, Florianópolis, SC, Brasil

Autor correspondente:

Autor para correspondência

Gustavo. Sutter Latorre

Rua Silva Jardim 307 – Centro – Florianópolis, SC

Telefones (48) 99928299

E-mail: [email protected]